No último final de semana resolvi mudar a rotina de andar sem rumo por Amsterdam e fui visitar a Biennale. E não me arrependi.

Saí de casa às 12h em direção ao lounge central do ExperimentaDesign, que fica ao lado do museu de arte moderna de Amsterdam, o Stedelijk Museum. Chegando lá descobri que o evento é formado por três exposições principais, Urban Play (organizada pela Droog Design), “Sunday Adventure Club” e “Come to My Place“. Optei por, naquele domingo, visitar a Urban Play, já que sou fã da Droog.

Ainda no lounge recebi um mapa-itinerário indicando todas as intervenções urbanas e galerias que fazem parte da Biennale. Recusei a opção de alugar uma bike, já que estava com a minha. Segui então para um passeio de 2h ao longo do rio IJ, uma das áreas mais agradáveis da cidade – embora supercomercial.

cyclerecycle.jpg

A primeira intervenção que encontrei foi o “CycleRecycleCycle”, uma “casinha” montada quase em frente à famosa casa de concertos da cidade, Concertgebouw, que oferecia um workshop para que os visitantes pudessem “pimp their bikes”, algo como “incrementar a sua bicicleta”. Fiquei um pouco decepcionada com a intervenção – estava esperando mais. Mais opções de decoração e tintas para pintar bikes. Não foi o caso, mas o conceito estava lá.

fence.jpg

Em seguida passei pela “Plaited Fence”, uma cerca feita de sacos plásticos e lixo encontrado nas ruas de Amsterdam. Achei a idéia interessante, senão um pouco batida.

sculp-point.jpg

Minha terceira parada foi o “Sculpt me Point”, criado por Martí Guixé. Uma pedra enorme na qual qualquer pessoa pode esculpir o que quiser e contribuir com a obra. Diverti-me horrores e pelo que percebi, todos que estavam lá também.

moving-forest.jpg

Na volta deparei-me com a “Moving Forest” que, como o nome diz, é uma floresta em movimento. Vários carrinhos de supermercado cobertos por cascas servem de habitat para árvores de verdade. A execução está linda.

fishes.jpg

A última intervenção pela qual passei, “Fish in the Sky”, é formada por dezenas de peixinhos de plástico que “nadam” no ar toda vez que o vento sopra – ou seja, o tempo todo já que Amsterdam é a cidade dos ventos – pelo menos pra mim ;-)

Faltam várias intervenções e as outras duas exposições para eu visitar, mas ainda tenho o mês todo pra elas…



  1. Alberto Bina on Tuesday 30, 2008

    Deve ser difícil esculpir, ninguém fez nada!!!!

    Btw, Achei o máximo o post!!!

  2. Carla Campos on Tuesday 30, 2008

    É difícil mesmo, Alberto! Fiquei lá um tempão e não fiz muita coisa.

    E obrigada pelo elogio ;-)