A Saatchi & Saatchi de Nova York assina a campanha da rede de fast food Wendy’s. Os filmes s√£o muito divertidos e conferem √† marca uma aura mais cool. A produ√ß√£o √© assinada pela Hornet, com dire√ß√£o de Peter Sluszka. O produto comunicado √© bem junkie: s√£o seis tiras de bacon sobre dois cheeseburgers. Deve dar um boost incr√≠vel na taxa de colesterol.

Confiram abaixo uma das execu√ß√Ķes e expandam o post para outras duas, veiculadas anteriormente e que n√£o tem a ver com o Baconator:

Aos leitores: este foi meu primeiro post no Blue Bus e por confusão minha ficou de fora. Como acho a idéia nele retratada muito boa, tratei de recuperar. Divirtam-se!


Usando a m√≠dia de massa para falar com 150 mil –
Pode parecer contra-senso investir em uma campanha de m√≠dia de massa para falar com apenas 150 mil pessoas nos EUA, um pa√≠s com quase 300 milh√Ķes de habitantes. Mas n√£o para a marca de autom√≥veis Mini. Ela enviou para a casa de cada um de seus consumidores um ‘livro secreto’ da marca que acompanha uma s√©rie de apetrechos de detetive – um √≥culos 3D, um ‘super secret decoder’ (uma m√°scara para posicionar em cima do an√ļncio) e um ‘magic window encryptor’ (uma esp√©cie de filtro para ser colocado por sobre o an√ļncio) – voc√™ pode ver todas as ferramentas aqui.
Os consumidores s√£o informados que os novos an√ļncios de m√≠dia impressa da marca – que ser√£o veiculados em grandes t√≠tulos – s√≥ poder√£o ser decodificados por quem tiver este kit. As mensagens incluem promo√ß√Ķes e convite para eventos como o ‘Mini Takes the States’ √Ę‚ā¨‚Äú um rally cross country que envolver√° centenas de Mini Coopers.

A marca acredita que ao valorizar os atuais proprietários, amplia a sensação de pertencimento a um grupo seleto. Mais do que isso, quer despertar nos potenciais compradores a vontade de ter e de participar.

- post originalmente publicado em 04/08/2006

√Č praticamente um filme √©pico, com o melhor dos efeitos que Hollywood pode produzir (chamaram a Framestore CFC, que fez os efeitos dos filmes do Harry Potter e dos comerciais Guinness Noitulove, e Fish de Johnnie Walker, aquele que fala da evolu√ß√£o) este comercial da JWT para falar da pureza e o processo de destila√ß√£o de Smirnoff. O filme foi rodado na Nova Zel√Ęndia e tamb√©m no Pinewood Studios, sob a dire√ß√£o de Daniel Kleinman, respons√°vel por um monte de bons comerciais e pela abertura do Casino Royale do James Bond (ele faz as aberturas do 007 desde 1989). Bem, sem mais palavras, segue o filme:

Confiram aqui o delicioso relato do Michell de sua recente visita a T√≥quio. √Č fascinante e d√° muita vontade de conhecer. Divirtam-se !

Update: Sobre sushi, muita coisa boa tem sido escrita. No √ļltimo dia 19 saiu uma mat√©ria de capa do caderno Paladar, dO Estado de S√£o Paulo, sobre o Tor√Ē, atum gordo e uma das mais finas mat√©rias primas para sushi e sashimi.: Confiram aqui, aqui, aqui e aqui.

Categorias: E*Ideias

A HBO lançou nos EUA um projeto interativo e multi plataforma (cross media) batizado de HBO Voyeur. No centro do seu enredo existem oito diferentes histórias que se desenrolam em diferentes apartamentos de um mesmo edifício e que possuem uma interconexão. O projeto convida os espectadores a liberar o seu lado voyeur e espiar o que está acontecendo nos apartamentos vizinhos, desvendando a trama.

As histórias podem ser acompanhadas de diversas formas. Por um hotsite que reproduz o prédio, através de vídeos para celular, por um blog que revela detalhes da trama e alguns sites com o perfil dos personagens. Foram publicadas também fotos no Flickr aqui e vídeos no YouTube aqui.

Para divulgar o lançamento, foram veiculados comerciais na própria HBO e também em salas de cinema. Houve ainda projeção dos oito apartamentos na parede de um prédio em Nova Iorque.

Esta iniciativa tem como objetivo familiarizar o p√ļblico com as novas m√≠dias onde o conte√ļdo do canal √© distribu√≠do – HBO On Demand e HBO Mobile. O Projeto Voyeur mostra a possibilidade de envolver o p√ļblico com uma experi√™ncia de marca atrav√©s de um conte√ļdo instigante e estimulante distribu√≠do em diversas plataformas. Al√©m disso refor√ßa a id√©ia de que a HBO √© forte em entretenimento e traz sempre grandes roteiros.

O projeto custou cerca de U$ 10 milh√Ķes e foi concebido pela BBDO de Nova Iorque. A produ√ß√£o √© da RSA Films com dire√ßao de Jake Scott (filho de Ridley Scott). A p√≥s produ√ß√£o e os efeitos visuais s√£o assinados pela Asylum. Mais uma √≥tima amostra de advertainment. Confiram abaixo o trailer no YouTube:

Achei excelente este filme e mais incr√≠vel o fato de ser extremamente integrado √† campanha vigente da marca e ao conceito “Think of:Everything”. Assista abaixo o filme com a pegada de responsabilidade social e, se estiver interessado, expanda o post para ver as outras execu√ß√Ķes:

Apoiando o lançamento do longa metragem dos Simpsons (que estréia amanhã), o Burger King lançou 3 comerciais de TV que misturam vídeo e animação. Estão sendo programadas também várias atividades dentro das lojas. Confiram abaixo um dos filmes e expanda o post para ver os outros dois. Os filmes chamam para um hotsite, que pode ser conferido neste link.

Muito divertido o comercial da agêncial alemã Jung Von Matt para a Mercedes Benz.

O enredo gira em torno de pequenas rixas cotidianas envolvendo os pilotos da escuderia de F√≥rmula 1 McLaren (que leva o motor Mercedes). A rivalidade fora das pistas de Lewis Hamilton e Fernando Alonso ajuda a refor√ßar o conceito “Racing is a state of mind” e a mostrar, mesmo que de relance, os modelos Mercedes-Benz C 63 AMG e CLK 63 AMG Black Series.

O comercial tem uma alta dose de ironia e termina com o finlandês Mika Hakkinen, levando vantagem final na sauna (para quem não sabe a sauna é uma invenção finlandesa). Confiram aqui que eu já contei demais:

Se voc√™ gostou veja aqui o comercial mais uma vez, em edi√ß√£o que inclui tamb√©m o making of. A trilha √© um cap√≠tulo √† parte. Trata-se de “Anything You Can Do”, m√ļsica composta por Irving Berlin e usada em 1946 como trilha do musical Annie Get Your Gun (aqui no Brasil conhecido como “Bonita e Valente”). Em 1976 a m√ļsica apareceu sendo cantada por Miss Piggy no Muppet Show. E agora encaixa perfeitamente como trilha do comercial.

Achei sutil e interessante este comercial da AMV BBDO de Londres para comunicar as op√ß√Ķes de produtos e solu√ß√Ķes para ajudar a parar de fumar de Nicorette, marca da Pfizer. O filme tem produ√ß√£o assinada pela Gorgeous, com dire√ß√£o de Tom Carty. Confiram abaixo:

Foi publicado um artigo na revista Slate que tem como base a classificação de Donald Gunn, autor do Gunn Report, sobre os 12 tipos/formatos que regem a criação publicitária.

Recomendo a leitura na íntegra, no site da Slate (cada tópico é ilustrado com um comercial). Mas, para dar água na boca, fiz uma tradução livre dos 12 tópicos. São eles:
1) Demo
2) Exposição do problema ou da necessidade de consumo
3) Exagero e analogias para a dramatização da necessidade do produto (problema)
4) Comparação
5) Narrativa em forma de estória que ilustra benefício do produto
6) Benefício cria a estória (formato de trás pra frente)
7) Testemunhal
8 ) Uso de personagens e celebridades
9) Exagero e analogias para dramatização dos benefícios do produto (solução)
10) Identificação através de perfil de usuário: projeção de valores aspiracionais e atributos de personalidade
11) Unique Personality Property – algum atributo singular e propriet√°rio da marca em termos de personalidade que √© largamente explorado pela comunica√ß√£o; uma releitura atitudinal do “Unique Selling Proposition”
12) Par√≥dia: cita√ß√Ķes e refer√™ncias a outros filmes ou elementos da cultura pop pela publicidade

O autor da mat√©ria, Seth Stevenson, argumenta que estes 12 formatos de Donald Gunn n√£o ficaram obsoletos pois mesmo projetos “cross media” e de gera√ß√£o de conte√ļdo, como o BMW Films e o Subservient Chicken bebem destas fontes. Eu concordo em parte com isso mas deixo a pol√™mica pra outro post.

Há também um vídeo-resumo de seis minutos e meio sobre o assunto. Confiram aqui.

Aproveitando a deixa, tem um v√≠deo de 44 minutos no You Tube de uma palestra do Donald Gunn com as pe√ßas favoritas em Cannes deste ano e algumas reflex√Ķes sobre o que deve acontecer no pr√≥ximos ano, pautadas em algumas an√°lises e retrospectos. Apesar da qualidade do v√≠deo n√£o ser das melhores, recomendo bastante.

- Valeu pela dica da Slate, Michell !

Este √© o texto deste bom comercial de uma pequena operadora de celular da R√ļssia. Li que os atores do filme n√£o s√£o profissionais, o que me fez ter gostado ainda mais. Confiram aqui:

O Neto, (da Bullet e do UpdateorDie) e o Michel Lent, (da 10 Minutos e Viu Isso?) deram in√≠cio a um movimento de boicote ao aeroporto de Congonhas, tendo criado um selinho “CGH N√ÉO”. A proposta √© que cada um de n√≥s opte por n√£o voar por Congonhas. Se eu e voc√™ n√£o voarmos mais […]

Eu gosto bastante de comerciais que sabem contar hist√≥rias. Recentemente fiz aqui um post sobre a publicidade argentina que tinha exatamente este mote. Agora quero dividir com voc√™s uma nov√≠ssima execu√ß√£o da Saatchi & Saatchi de Nova Iorque para a rede varejista JC Penney (conta conquistada no final do ano passado pela ag√™ncia). Estou falando […]

Da Nova Zel√Ęndia. Assinado pela Saatchi & Saatchi Auckland, o comercial √© divertido e tem uma trilha igualmente bem humorada (e um tanto inusitada). Fui atr√°s. O nome da m√ļsica √© “Bathtime in Clerkenwell” e √© da banda brit√Ęnica “The Real Tuesday Weld“. Pra quem n√£o sabe, Clerkenwell √© um bairro de Londres que teve […]